XTerra Piri - Um dia bom!

Publicado no Correio Braziliense em 15/05/2011.

Lagoa onde foi realizada a natação no XTerra Piri.


Quando me sinto desperto, meia hora antes do alarme disparar, sei que um dia bom se inicia. Sem agonia ou qualquer outro sentimento negativo. Bom humor, somente.

Assim começou o sábado em Pirenópolis, sede do XTERRA Piri. Dia perfeito, de céu azul e temperatura amena nessa bucólica cidade histórica de Goiás, distante de Brasília cerca de 130 km.

Desde ontem, no Congresso Técnico, o clima é fantástico. Não falo apenas sobre o contexto metereológico, mas sobretudo sobre as pessoas. Desde a chegada na cidade sinto que a atmosfera reinante é exatamente o que mais falamos nas rodas de amigos: “ser, mais que ter”.

Poucos instantes antes da largada da natação, em uma represa de águas cristalinas e temperatura simplesmente ideal, encontrar a “velha guarda” no mesmo clima dos atletas jovens é de emocionar. Olho ao lado e percebo todos, da corrida de aventura, do triatlo, da canoagem. Das corridas de rua, da natação, do moutain bike. Todos ali, unidos com o mesmo propósito: superação, integração e velha disposição em fazer força, mesmo que seja para falar mal do grande amigo, que desta vez não aguentou o ritmo forte e... naufragou. 

Aliás, melhor que estar ali no pelotão de elite, dos atletas profissionais, no auge da concentração, é ver um grupo de amigos de 20, 30 anos de amizade reunir-se para uma foto, seguido da declaração: - Acabou a amizade. Agora vou ganhar de você.

Não tem preço. E se você acha que o cabelo branco, ou a falta dele, depõe contra, saiba que é motivo de orgulho olhar a lista de chegada e ver que muito garotão “sucumbiu” à determinação do tiozão.

Falo de uma geração que é a cara de Brasília, para quem manter-se saudável não é uma obrigação, tampouco uma recomendação médica: é um estilo de vida. 

Os atletas profissionais e as equipes de revezamento largaram na frente para a natação de 1.000m, enquanto os amadores regogizavam-se com o visual e a disputa. Na primeira volta, Alexandre Manzan reinava, com Kenny Sousa, Felipe Molleta (PR) e, para minha surpresa e felicidade, João Paulo Machado no vácuo. Se gosto de ver os grandes nomes reconhecidos do DF na frente, fico ainda mais empolgado ao ver um atleta especialista em uma modalidade (moutain bike), brilhando em outra completamente diferente. É o Multisporte tomando conta do cenário do esporte do DF.

O moutain bike de 28km foi realizado nas clássicas trilhas de Pirenópolis. Trilha praticamente plana e com muito estradão, algo surpreeendente para o relevo da cidade, mas trechos clássicos como o single do Frota e um trecho do Brasileirinho serviram para brindar quem de fato tem o MTB como esporte principal. 

Por fim, a corrida de 7km foi feita em um trecho de cidade, outro de estradão de terra, e o desfecho final emocionante nas trilha às margens do Rio das Almas, terminando no centro da cidade.

Alexandre Manzan sagrou-se campeão do XTERRA Piri, único atleta a finalizar a prova em menos de duas horas. Aos campeões, parabéns pela conquista. Aos garotões, cuidado com os Titios. Ao organizador, Antonio Júnior da AJR, obrigado e marque a próxima data.

Comentários

Postagens mais visitadas